domingo, dezembro 11, 2016

Foz Côa - parte 10

Últimos desenhos de Foz Côa.


A Pousada da Juventude de Vila Nova de Foz Côa tem uma vista deslumbrante para a paisagem montanhosa do Côa. De manhã, a neblina e o ar super fresco davam aos desenhos um toque gélido e húmido, mas era impossível não tirar as mãos das luvas e desenhar esta vista...
Alguns alunos fumavam para combater o frio. Outros, poucos, acompanhavam-nos nestes desenhos frios de espera pelo autocarro...


Em Freixo Numão, o guia que nos acompanhou às ruínas do Prazo, o tal filho da terra, foi logo desenhado durante a pequena apresentação que nos fez no museu. Utilizei o lápis de sanguínea e depois acrescentei o de grafite. Meia hora depois, serviu este desenho para explicar como se pode preencher rapidamente uma área com mancha (ali a zona da barba), mas também ter traços mais assumidos e expressivos (ali a zona do cabelo), sem nunca descurar a dinâmica da linha (o perfil do rosto e a orelha).
Depois, já nas ruínas, um pequeno apontamento a caneta do que resta da entrada principal do mercado romano. 


Na verdade, na verdade, este não foi o meu último desenho de Foz Côa, mas foi o meu último desenho neste caderno. Depois do almoço em Mêda, enquanto algumas alunas desenhavam tratores (a da esquerda está mais a descansar do que outra coisa), eu, como tinha pouco tempo, desenhei-as a elas, de pé a olhar para baixo.

2 comentários:

Rosário disse...

Que delícia de viagem, de desenhos e de texto!

Miguel Antunes disse...

Aaah ficaram na Pousada da Juventude. É um belo lugar, também lá estive. E o que mais me lembra é aquela vista do alto. Um mimo


Que bela viagem mário!