sexta-feira, junho 02, 2017

Assis: Basílica de S. Francisco


Não sei se é do final do ano letivo e se ando demasiado cansado, mas cada vez me questiono mais sobre a impossibilidade de partilhar conhecimento com quem não o quer receber. Parece-me que este sistema de querer ensinar coisas a quem não as quer aprender está em falência...

Dou-me conta que a verdadeira passagem de conhecimento é informal. Mesmo numa aula séria, é a informalidade da curiosidade genuina de alunos e professores que permite que se aprenda.

Enquanto desenhava a Basílica inferior de São Francisco, pensava nas corporativas artísticas medievais e no modo como os aprendizes se juntavam aos mestres logo a partir de muito cedo, 10 ou 11 anos. Seria difícil ensinar-lhes naquele tempo?


Desci à cripta de São Francisco. 
Deambulei. 
Li tudo o que havia para ler.
Deixei-me impressionar pela esmagadora presença daquele túmulo de pedra.
Sentei-me sem fazer nada.
Depois tirei o caderno e comecei a desenhar.
Usei umas aguarelas novas que tinha partilhado com toda a gente. 
Fiquei com estas cores vermelhas. 
Quando se partilha assume-se isso mesmo e fica-se com o que sobra. 
Se é que sobra alguma coisa quando se partilha...


Pois ser professor é isto mesmo: ficar uma manta de retalhos sem nunca perder o conjunto.
Muito impressionante o hábito de S. Francisco. 
Ele foi um excelente professor porque deu o exemplo de como viver.
Foi bem radical, mas isto não vai lá com falinhas mansas. Há que acreditar no que se diz, e transformar isso em ações.


Anda turva a minha visão sobre a vida de professor.
Quanto mais me esforço, mais sinto que estou longe daquilo que deveria ser.
Dou o meu melhor. E mesmo assim nunca chega...

Abençoado fresco do Giotto, que me ajuda a entender que, às vezes, só um pequeno gesto pode aproximar dois mundos que teimam mostrar-se separados.

1 comentário:

Sofia Feliz disse...

Bonitas palavras, Mário. Sinto o mesmo em relação à indiferença e até rejeição dos alunos à aprendizagem. É urgente reinventar a escola e descobrir novas formas de ensinar, de forma a chegar ao interior destes miúdos. Talvez o problema seja mesmo o excesso de tudo nos dias que correm: fazer como S. Francisco e dar real importância à essência da vida, à natureza e sobretudo aos outros. Paz e bem!